Você está aqui: Página Inicial / Cultura / A estrela sobe

Cultura

Cinema

A estrela sobe

por Orlando Margarido — publicado 25/04/2012 10h11, última modificação 25/04/2012 10h11
A contribuição mais imediata de Sete Dias com Marilyn, estreia prevista para sexta 27, é estimular o espectador a ver e rever O Príncipe Encantado, a comédia romântica de 1957
MICHELLE WILLIAMS stars in MY WEEK WITH MARILYN

Encanto e angústias. Em atuação cativante, Michelle Williams vive a avassaladora Marilyn intimidada diante de Laurence Olivier

Sete dias com Marilyn
Simon Curtis

A contribuição mais imediata de Sete Dias com Marilyn, estreia prevista para sexta 27, é estimular o espectador a ver e rever O Príncipe Encantado, a comédia romântica de 1957 protagonizada por uma dupla até então improvável. É dos bastidores dessa filmagem que uniu Laurence Olivier a Marilyn Monroe de que se trata em grande parte aqui, embora a adaptação do livro de Colin Clark sobre episódio real por ele vivido seja o epicentro da trama. Será curioso, no entanto, saber mais do rápido romance entre o autor e a estrela americana já no auge, assim como se encantar com uma cativante atuação de Michelle Williams, que sem forçar uma semelhança com a diva consegue nos fazer crer em seus encantos e problemas.

É mais desses, os percalços, de que nos fala o filme, ou melhor, o filme dentro do filme, em sua sucessão de contratempos. Convocada à produção inglesa, Marilyn chega aos estúdios de Londres escoltada pelo dramaturgo Arthur Miller, seu marido na época, e Paula Strasberg, mulher de Lee Strasberg e sua seguidora no ensino do Método. Nem o recurso de atuação em voga na época será suficiente para bloquear o nervosismo da atriz frente ao renomado shakespeariano Olivier (um ótimo Kenneth Branagh). Ela então erra falas, tem brancos constantes e, deprimida, lança-se aos comprimidos de que já era dependente.

Os braços de Clark (Eddie Redmayne), que aos 24 anos tudo acompanha como um ajudante contratado, significarão assim algum alívio. Quando não se detém demais nessa relação, o filme oferece boas apreciações do entorno, como uma Vivien Leigh, a senhora Olivier (Julia Ormond), a resignar-se com seus quarenta e tantos anos ante a beleza avassaladora da recém-chegada.