Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do Orlando Margarido / Um filme para Carlão

Cultura

Um filme para Carlão

por Orlando Margarido — publicado 21/09/2013 18h05
Avanti Popolo traz a Brasília a última aparição de Reichenbach e, de quebra, a veia experimental

Ainda que não tenha sido um projeto de homenagem ao cineasta, Avanti Popolo acabou por ter esse viés na apresentação ontem a noite, terceira da competição. O filme de Michael Wahrmann tem a presença de Carlão Reichenbach, morto ano passado, no papel de um velho pai que brecou sua vida depois da morte de um dos filhos. O outro, interpretado pelo professor e pesquisador André Gatti, chega para passar um tempo na casa do pai, local que também parou no tempo e exibe essa paralisia em cada canto. O ambiente é visto por um único plano fixo, no qual os personagens se movem num extra-campo. Quando vai para o exterior, move-se em um carro, percorrendo ruas de um bairro classe média de São Paulo, ou mostra a fachada da residência. Ali está uma redescoberta do filho recém-chegado, um lote de filmes super 8 em que se vê o filho ausente. A partir daí há tanto as recordações, como as conversas de cinema entre o personagem de Gatti e um realizador amador de cinema, e a relação sempre tensa entre pai e filho, o primeiro mais interessado na cadela de estimação. Há uma trama a ser explorada? Nem tanto. O significativo aqui é um filme que se constrói em sua própria realização, autorreferente na discussão do tempo e do cinema que traz, das tentativas de algumas atitudes que sempre emperram, como o carro que ao percorrer as ruas chega a um beco sem saída. É a metáfora do proprio cinema, no caso o nosso, de muitas vezes não conseguir se efetivar, de cineastas como o próprio Carlão que manteve-se fiel a um cinema autoral, independente, mas que pagava o preço da dificuldade por isso. Esta opção de Michael, em sua estréia no longa, pode ser mais elaborada, estudada nessa militância, mas representa bem o universo do que quer falar, e nesse sentido é genuíno. O filme será melhor compreendido por quem tem referências e alguma relação com o cinema que se faz na raça, na colaboração e amizade. Avanti Popolo, cujo hino socialista famoso de título entra de forma inusitada na história, é isso também, um filme de amigos e para um amigo, Carlão. Gostei e quero rever em outra situação que essa correria que é um festival.