Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Intervozes / Intervozes: coletivo debate direito à comunicação social

Política

Mídia

Intervozes: coletivo debate direito à comunicação social

por Coletivo Intervozes — publicado 01/07/2013 15h27, última modificação 02/07/2013 19h27
Até que ponto novas ferramentas têm significado mais vozes circulando pelos meios de comunicação de massa do País?

A partir desta terça-feira 2, o Intervozes - Coletivo Brasil de Comunicação Social abre mais um espaço de diálogo para tratar do direito à comunicação. O blog, fruto de parceria com Carta Capital, publicará artigos semanalmente.

Celulares, tablets, computadores, televisores, rádios. Os instrumentos de comunicação nos rodeiam constantemente. Nos ônibus que circulam nas grandes cidades, vemos cada vez menos olhares passeando pelos arredores. Até as conversas nos bares parecem concorrer com as deflagradas pelos dedos ágeis sobre os teclados produzidos. Mas toda essa abundância de equipamentos e possibilidades comunicativas tem significado mais vozes circulando pelos meios de comunicação de massa? A liberdade de expressão tem sido efetivamente assegurada e, quiçá, expandida no Brasil?

São algumas das questões que o Intervozes pretende discutir neste blog, que tem como proposta ampliar o diálogo sobre comunicação, entendida não apenas como técnica, meio ou instrumento, mas também como um direito fundamental de cada cidadão e cidadã.

Em uma sociedade em que os meios se tornaram peças chave na arquitetura de poder atual, a mídia não pode continuar sendo apropriada por uma parcela minúscula da população. No maior país da América Latina, no entanto, cerca de 90% das emissoras de televisão comerciais são afiliadas de cinco grandes grupos comerciais. Em muitas cidades, a falta de exibição de programas locais faz com que seja mais fácil descrever as ruas do Leblon do que as do bairro vizinho. Mulheres, negros, homossexuais, povos indígenas e movimentos sociais, de forma geral, conhecem bem os frutos desse cenário: a imposição do silêncio, a distorção, a criminalização. Enquanto isso, o acesso à internet continua fora do alcance de metade da população brasileira.

No ano em que o Intervozes comemora dez anos de vida e no momento em que diversas organizações e movimentos - tendo à frente o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) - se engajam na campanha que pretende coletar mais de 1 milhão de assinaturas em apoio ao Projeto de Lei da Mídia Democrática, é importante ampliar a discussão sobre essa agenda e ouvir as demandas das vozes que, historicamente, foram suprimidas do debate público.

Por isso, traremos para este espaço questões como a cobertura da mídia, políticas públicas que interferem no setor, experiências de ativistas e movimentos sociais na produção da comunicação alternativa, impacto das novas mídias nas relações sociais, entre outros. Temas que queremos compartilhar e debater.