Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Carta nas Eleições / Datafolha repete vantagem de 52% a 48% para Dilma

Política

Eleições 2014

Datafolha repete vantagem de 52% a 48% para Dilma

por Redação — publicado 22/10/2014 09h37, última modificação 22/10/2014 10h20
Nova pesquisa foi realizada na terça-feira 21 e mostrou aumento significativo do otimismo com a economia
Orlando Brito e Ichiro Guerra
Aécio e Dilma

Na terça-feira 21, Aécio esteve em Campo Grande e Dilma, no Recife: na reta final da eleição, os dois presidenciáveis intensificaram suas campanhas

Botão Eleições 2014Uma nova rodada da pesquisa Datafolha, realizada na terça-feira 21 e publicada pela Folha de S.Paulo nesta quarta-feira 22, repetiu o resultado do levantamento feito na segunda-feira 20 e mostra empate técnico com a presidenta Dilma Rousseff à frente numericamente, com 52% dos votos válidos, contra 48% do senador Aécio Neves, candidato do PSDB ao Planalto. Pesquisa Vox Populi divulgada pela TV Record também na terça-feira 21 mostra o mesmo resultados.

A única variação nos números do Datafolha se deu na intenção de voto da petista quando computados todos os votos. Dilma foi de 46% para 47%, enquanto Aécio ficou com os mesmos 43% da pesquisa anterior. Brancos e nulos, que eram 4%, foram para 5%, enquanto os indecisos oscilaram de 6% para 4%. A pesquisa ouviu 4.335 eleitores na terça-feira 21 e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O registro na Justiça Eleitoral é BR-01160-2014.

Na terça-feira 21, após aparecer numericamente atrás de Dilma, Aécio Neves criticou os institutos de pesquisa. Segundo ele, essas empresas devem explicações ao País pelos "erros grosseiros" cometidos. No primeiro turno, o candidato tucano teve 35% dos votos, bem acima do que os institutos mostravam antes da votação. Por isso, Aécio ironizou as pesquisas desta semana. "Pelo que vimos do primeiro turno, estou eleito", afirmou ele.

Segundo análise da Folha de S.Paulo, a retomada da dianteira por parte da petista tem a ver com a melhora nas perspectivas da economia por parte da população. Na comparação com levantamento semelhante feito em 25 e 26 de setembro, tiveram altas significativas as expectativas de redução do desemprego (23% para 31%), de melhora da situação econômica do Brasil (32% para 44%) e de queda da inflação (12% para 21%). Ao mesmo tempo, o número de pessoas que prevê aumento do desemprego caiu (36% para 26%), assim como os que esperam piora da situação econômica (25% para 15%) e alta da inflação (50% para 31%).