Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Carta nas Eleições / Erundina vai coordenar a campanha de Marina

Política

Eleições 2014

Erundina vai coordenar a campanha de Marina

por Redação — publicado 22/08/2014 10h15, última modificação 22/08/2014 18h37
A deputada federal substitui Carlos Siqueira, que deixou o posto fazendo duras críticas à nova candidata do PSB
Agência Brasil

A deputada federal Luiza Erudina (SP), candidata à reeleição, será a representante do PSB na coordenação da campanha de Marina Silva à Presidência da República. A confirmação foi feita pelo presidente do partido, Roberto Amaral, na noite de quinta-feira 21.

Erundina vai substituir Carlos Siqueira, antigo coordenador, que deixou o posto na quinta-feira fazendo duras críticas a Marina. De acordo com Siqueira, "Marina não representa o legado de Eduardo Campos", é "diferente politicamente e ideologicamente" dele e não passa de "uma hospedeira" dentro do PSB.

A indignação de Siqueira teria sido motivada por duas nomeações feitas por Marina Silva ao assumir o posto aberto pela morte de Eduardo Campos: a de Bazileu Margarido como tesoureiro e a de Walter Feldman como coordenador-adjunto de campanha. Assim como Marina, Feldman se filiou ao PSB no fim de 2013, após a Rede Sustentabilidade, partido que tentavam montar, não conseguir viabilizar sua formalização na Justiça Eleitoral.

O movimento migrou para o PSB, sigla em que está abrigada, mas continua existindo. Há diversas incompatibilidades entre o PSB e a Rede, que vinham sendo mantidas sob controle por Eduardo Campos. Sem ele, as feridas têm ficado expostas.

A própria Luiza Erundina, nova coordenadora de campanha ao lado de Feldman, fez duras críticas à Rede em julho de 2013. Questionada sobre a possibilidade de aderir à Rede no programa É Notícia, da Rede TV, Erundina afirmou que "sua opção é pelo socialismo". "A Marina é uma pessoa maravilhosa, mas entra no senso comum da sociedade do ponto de vista de negar a política, de negar partido... tanto é que é Rede, não partido", afirmou. "Isso desorganiza, deseduca politicamente.. não há política e não há democracia sem partidos", disse.

(Por José Antonio Lima)