Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do Serapião / Clima esquenta nos bastidores da eleição para PGJ

Política

Ministério Público Estadual

Clima esquenta nos bastidores da eleição para PGJ

por Fabio Serapião — publicado 01/04/2014 14h06, última modificação 01/04/2014 14h57
Na reta final da eleição, apoiadores das candidaturas de Márcio Elias Rosa e Luiz Antônio Marrey trocam acusações e prometem chegar às vias de fato.

A quatro dias da eleição para Procurador-geral de Justiça, o clima que já era quente no Ministério Público de São Paulo agora beira ao explosivo. Enquanto os dois candidatos, Márcio Elias Rosa e Luiz Antônio Marrey, apostam suas últimas fichas no corpo a corpo com promotores e procuradores, seus eleitores trocam ataques e acusações em comunidades internas de redes sociais.

Um dos palcos das acaloradas discussões é a comunidade MPSP – Livre, criada por integrantes da instituição no Facebook. No espaço, a troca de farpas entre apoiadores das duas candidaturas ganhou corpo nos últimos dias e resultou em ameaças de “socos na cara” e acusações contra promotores que se manifestam “com o estado mental quimicamente alterado”.

Tudo começou após o procurador Fernando Nucci postar um vídeo no qual o candidato à reeleição, Elias Rosa, explicava o motivo pelo qual não levou o caso do despejo do promotor de Lorena ao CNJ. Em seguida o que se viu foi uma série de comentários. Após vários posicionamentos de apoiadores de Marrey criticando a postura do atual PGJ, o promotor Marcelo Oliveira respondeu a procuradora Valderez Deusdedit Abbud, que havia se referido a Elias Rosa com a frase:  "Pelé calado é um poeta".

“Respeito sua opinião, Valderez Deusdedit Abbud, do mesmo modo que a lamento profundamente. Não esperava que fosse você a responsável por, na ultima semana, baixar tanto o nível da campanha. O que não faz a disputa pelo Poder, não é mesmo?”, afirmou Oliveira. Em resposta, vários integrantes da comunidade saíram em defesa da procuradora. Um deles, o procurador Avelino Grota, disparou contra o promotor e afirmou que caso o encontrasse iria desferir “um soco na cara”.

“Vinha resistindo a dar a mais remota importância ao que o colega Marcelo Oliveira escreve por aqui – das mais desvairadas manifestações, notoriamente advindas de um estado mental quimicamente alterado, àquelas em que se pode vislumbrar, da maneira mais clara, o insolúvel conflito entre personas diversas, que somente um bom psicanalista poderia auxiliar a superar (na remota hipótese de algum dia advier ao colega coragem para enfrentar os mais recônditos sentimentos que o corroem, porque sufocados)”, afirmou Grota, para em seguida completar: “No mais, poupe-me de sua existência física – já que a moral não mais reconheço – pois caso as contingências da vida em sociedade nos levem à infeliz casualidade do encontro, procure se afastar, porque não titubearei em desferir o que você merece: um soco na cara”.

A próxima etapa do enfrentamento será hoje, às 19h00, no jornal Folha de S. Paulo, quando os dois candidatos participam do primeiro debate antes do pleito. O segundo está marcado para quinta-feira, 03/04, na Associação Paulista do Ministério Público. Veremos qual será o reflexo dos encontros nas redes sociais.

Outro lado

O BlogdoSerapião entrou em contato com o procurador Avelino Grota e com o promotor Marcelo Oliveira, mas até a publicação do post não obteve retorno.

registrado em: ,