Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do Marcio Alemão / Vocês querem bacalhau?*

Sociedade

Refogado

Vocês querem bacalhau?*

por Marcio Alemão publicado 14/04/2014 12h47, última modificação 14/04/2014 12h48
No meu, dendê e leite de coco não entram. Só azeite, cebola...

Eu não vou falar sobre o bacalhau, não vou dar receitas de bacalhau e também nada direi sobre ovos de chocolate e coelho.

Eu ficava furioso com as revistas femininas que passavam suas histórias a repetir as mesmas matérias: “Não consigo ter mais que um orgasmo por ano. Estou com problemas?” “Me apaixonei pelo meu chefe.” “O verão está chegando! Dicas para uma alimentação saudável.” E até hoje a banda segue no mesmo compasso repicando o bumbo e o dobrado.

Na gastronomia, a situação não é muito diferente e talvez não valha a pena tentar sê-lo. Apesar de eu não querer falar sobre o bacalhau, não posso aceitar que uma grande revista dedicada ao assunto ignore o peixe sem cabeça durante o período da Páscoa. Olhei algumas. O Junior, sinto, não se manifestou. Bacalhau, pedem as boas maneiras, não merece ser coadjuvante de nenhuma ideia. Ele deve brilhar em sua simplicidade. E quanto mais a receita conseguir valorizar seu sabor, melhor.

Me falam em moqueca de bacalhau e a união do peixe do Norte do Atlântico com temperos e cheiros do Nordeste do Brasil me provoca arrepios. Preconceito? Aceito o rótulo, mas no meu bacalhau, dendê e leite de coco não entram.

Até a espuma do Ferran eu encarei, reproduzi e digo: é bacana. E o é por ser nada além de restos de bacalhau, aparas, reduzido com os temperos de uso corrente como a cebola, o azeite, o louro, um pouco de creme de leite e isso é coado, vai para o sifão e se transforma na tal espuma, com sabor, com um bom sabor de bacalhau. E vale pela delicadeza que adquire. Tendo um sifão, experimente.

Chocolates e ovos não me seduzem, mas não posso ignorar que esse mercado tem apresentado produtos bastante sofisticados, principalmente os de alta porcentagem de cacau. Acredito que a iniciação ao chocolate deve ser semelhante ao vinho. Começamos com os levinhos, fáceis de beber e com o tempo chegamos aos poderosos. Ainda vou tentar.

Por ora fico com a garrafa azul dos chocolates.

(*)Essa pergunta era feita para o auditório por Chacrinha, em seu programa A Hora da Buzina, nos idos do século XX. Ele perguntava e jogava para o público uma peça inteira de bacalhau seco. Outros tempos, outros preços.

registrado em: