Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do Marcio Alemão / Samba do chef doido

Sociedade

Refogado

Samba do chef doido

por Marcio Alemão publicado 09/03/2014 08h07, última modificação 09/03/2014 08h56
Akuntsu, Caiapó e Matipu levou pra Europa maniçoba e de quebra o jambu. Por Márcio Alemão
Flickr / F² R²
Samba

Por que não fizeram um samba-enredo homenageando os chefs de cozinha do Brasil?

Por que ainda não fizeram um samba-enredo homenageando os chefs de cozinha do Brasil?

Tudo bem que alguém poderia argumentar que nenhum deles teve, ainda, a projeção de um Roberto Justus, justamente homenagea-
do pela Rosas de Ouro em 2012. Concordo, mas a cozinha está se integrando cada vez mais à sala de visitas.
Chefs estão começando a receber o devido reconhecimento e espero que, em pouco tempo, comecem a receber comendas e medalhas. De volta à avenida, pensei nos jovens.

Os jovens, as novas gerações de chefs principalmente, têm uma história semelhante. Não todos, já deixo claro. E essa história poderia render um emocionante samba-enredo: Menino levado não sabia o que fazer/ seu pai desesperado perguntava/ e agora o que vai ser?/ Saiu pelo mundão pra se encontrá e acabou na cozinha do Ferran Adrià/ Lavou muita panela, picou muita cebolinha/ até aprender a transformar um boi em espuminha/ Voltou pra o Brasil varonil/ fez espuma de mandioquinha, de formiga e de cará./ Papai entrou com a grana/ e jovem chef inventou o chiclete com banana/ Jackson do Pandeiro não gostou/ Clementina de Jesus adorou/ Beth Carvalho pediu a receita pra comer com feijoada/ e na quadra da Mangueira encantou a rapaziada/ E assim ele foi levando/ fazendo redução/ ceviche de bode com crosta de mamão/ Descobriu a cozinha dos índios

Akuntsu, Caiapó e Matipu/ levou pra Europa a maniçoba e de quebra o jambu/ Ganhou diploma da rainha/ e preparou pro Ringo Star uma galinhada com farinha/ Guerreiro verde-amarelo com suas panelas/ imortalizou o sabor de nossa nação/ indo muito além do arroz com feijão.

Puxa, confesso que acaba de rolar uma furtiva lágrima de meus olhos.

E chegamos ao tempo da Quaresma. Tempo de reflexão. Por exemplo, por que estamos aceitando pagar 20 reais de estacionamento em qualquer restaurante? Por que pagar 70 reais em uma pizza? Por que nossa cerveja tem mais milho do que cevada? Por que a Friboi está investindo tanto em comunicação? A Sadia decidiu parar de dar hormônio aos seus frangos ou sempre foi assim?
Agora, cá entre nós, espero que você encontre questões mais interessantes para refletir.

registrado em: