Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do Edgard / Aqui jaz uma CPI

Política

Aqui jaz uma CPI

por Edgard Catoira — publicado 12/09/2013 12h13, última modificação 12/09/2013 12h44
Só resta ao carioca rir das apresentações circenses de seus vereadores

O humor do carioca parece ser inesgotável. Os trens param, falta luz no metrô, as barcas não atracam, os ônibus atropelam e, ainda assim, a gente chega na Cinelândia e consegue dar boas gargalhadas.

Bem em frente da Câmara Municipal, um grupo de manifestantes inconformados com os rumos da CPI dos Ônibus, enterrou simbolicamente o governador, o prefeito, o presidente da Câmara e os cinco vereadores da tal CPI. E o fizeram com requintes! Transformaram oito frades – aqueles obstáculos que impedem o estacionamento de veículos nas praças – em verdadeiras lápides mortuárias, com direito a foto do defunto, data de nascimento e falecimento do dito cujo e até flores ornamentais de plástico. A foto ao lado mostra o “túmulo” do presidente da CPI, vereador Chiquinho Brazão, que é ligado à família Barata. Para quem não sabe, os Barata dominam a Fetranspor, federação que congrega as empresas de ônibus no Rio de Janeiro.

Mas, maior do que o humor das ruas, é mesmo a cara de pau dessas autoridades. Na última sessão da CPI do Ônibus, Suas Excelências se excederam. Convocaram o representante de um dos consórcios das empresas de ônibus e ouviram... o seu advogado. É mais ou menos como se a CPI do Cachoeira o tivesse convocado para ouvir o Dr. Márcio Thomaz Bastos. Êta CPI rigorosa! O pior torturador, como o famoso inquisitor Torquemada não teria ido tão longe.

Resultado da CPI: nenhum!

As empresas de ônibus, claro, devem estar morrendo de medo do relatório final que, como antecipei outro dia, está pronto. E, pelo andar da carruagem, ou melhor, dos ônibus do Rio de Janeiro, os membros da CPI dos Ônibus cumprirão fielmente seu papel: nada apurarão, confirmarão que está tudo certo e que o sistema de ônibus do Rio de Janeiro está dentro dos padrões internacionais.

Que descansem em paz.