Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Blog do Antonio Luiz / Eu quero o meu iate!

Sem categoria

Eu quero o meu iate!

por Antonio Luiz M. C. Costa publicado 16/01/2012 17h19, última modificação 16/01/2012 17h19

A família real britânica não está fazendo sua parte para convencer os britânicos de que vale a pena conservar a monarquia no século XXI.

Segundo o jornal Guardian, desde setembro o príncipe Charles (herdeiro) e a princesa Anne (sua irmã) pressionam o governo para que o povo presenteie a rainha com um iate de 60 milhões de libras (164 milhões de reais) no Jubileu de Diamante desde ano, no qual Elizabeth II completa 60 anos de reinado.

Ao conseguirem que o ministro da educação David Willetts e o seu secretário Michael Gove se juntassem ao lobby, o primeiro-ministro David Cameron se irritou e fez publicar suas cartas. O primeiro escreveu que "o contra-almirante [David Bawtree] considera que [o novo iate] poderia ser usado como um recurso de formação para jovens e disponibilizado para financiadores como um navio de pesquisa", e o que "apesar de, talvez até por causa da austeridade, a celebração precisa superar os jubileus anteriores (...) acredito que a aprovação do iate real seria uma excelente maneira de marcar o Jubileu de Diamante da rainha e de a nação agradecer-lhe por seu longo e incansável serviço ao país.."

O velho iate real, o Britannia, lançado ao mar logo após a coroação da atual rainha em 1953, foi retirado de serviço em 1997 e convertido em museu ancorado e aberto ao públicoem Edimburgo, Escócia, devido ao alto custo da tripulação e manutenção. Nesta era em que viagens e visitas nacionais e internacionais de chefes de Estado são feitas de avião, é difícil justificar a existência de um iate oficial mesmo em tempos de prosperidade, quanto mais durante uma crise na qual a saúde e a segurança do povo britânico (para não falar da educação, com a qual seria de se esperar que o ministro da pasta estivesse mais preocupado do que com o lazer dos príncipes reais) estão sendo sacrificadas à suposta necessidade de salvar os bancos abalados pela crise financeira de 2008 e ameaçados pela nova crise europeia.

É pedir demais, mesmo para um primeiro-ministro conservador. David Cameron mandou seu porta-voz esclarecer que ele julga inadequado gastar dinheiro público em um iate: "É evidente que a situação econômica é difícil, os recursos são escassos e, portanto, não acho que seria um uso apropriado de dinheiro público no presente momento". Não discutiu, porém, a possibilidade de apoiar uma coleta pública “voluntária”, como a sugerida por Grove: “Se não houver dinheiro público disponível suficiente, poderíamos certamente procurar uma generosa doação privada, por exemplo, dando a cada criança na escola uma lembrança duradoura da ocasião ou, eventualmente, permitindo que cada escola compre uma lembrança permanente” (para financiar o iate).

O milionário britânico Sir Donald Gosling ofereceu-se para emprestar um iate à rainha, de graça, para os festejos do Jubileu de Diamante, mas evidentemente o quer de volta.

Faz lembrar aquelas campanhas publicitárias antiéticas nas quais se sugere às crianças que peçam aos pais uma bicicleta de tal marca. Com o agravante de que “os pais” estão falidos e não conseguem sequer pagar a escola e o plano de saúde. Resta aos príncipes escrever uma cartinha a Papai Noel. Quem sabe se não conseguem comover o bom velhinho?

registrado em: